O Sistema Ving Tsun

O Sistema Ving Tsun (Wing Chun)

O Sistema Ving Tsun

Podemos ver o Sistema Ving Tsun (Wing Chun) sob muitos aspectos. Mas qualquer que seja a visão abordada, em algum grau, ela será limitativa. Por isso, penso que a atenção central, ao propor um entendimento sobre o Sistema Ving Tsun (Wing Chun), é não restringir as possibilidades de sua exploração. Talvez seja essa a razão dos grandes mestres do passado não o terem definido. Por outro lado, como as pessoas poderiam entender suas qualidades distintas?

Diante desses desafios, quero apresentar, a título precário, uma proposta de entendimento do Sistema Ving Tsun (Wing Chun) como um sistema para o desenvolvimento do Kung Fu, cuja elaboração é atribuída à Fundadora Yim Ving Tsun. É integralizado por seis domínios – Siu Nim Tau, Cham Kiu, Biu Ji, Mui Fa Jong, Luk Dim Bun Gwan e Baat Jaam Do – representados por listagens de dispositivos corporais de combate simbólico.

Essa coletânea de domínios (Siu Nim Tau a Baat Jaam Do) basta por si mesma para formar um todo completo que é o Sistema Ving Tsun (Wing Chun). 

Os domínos do Sistema Ving Tsun (Wing Chun) registrados sigilarmente por Grão-Mestre Moy Yat. Observe os importantes comentários existentes para cada domínio que contribuem para o entendimento da sua natureza, mas só farão sentido através do Sam Faat.

Mesmo que o nome e a disposição dos componentes de cada domínio dêem uma noção para o entendimento de sua natureza, nada necessariamente é especificado, comentado ou justificado com relação aos dispositivos corporais de combate simbólico.

O entendimento da natureza de um domínio é uma jornada que vai além da compreensão intelectual. Se alguns de seus aspectos parecem uniformes e regulares, outros conduzem para a extrapolação dos limites de um ordenamento dado como certo. Cada característica é portadora

de uma manifestação simbólica que pode ser vista como um guia para a compreensão do Sistema Ving Tsun (Wing Chun) como um todo ou em parte.

A partir do acesso à listagem dos domínios não se precisa fazer uso de um conhecimento teórico para o desenvolvimento do Kung Fu. Ele ocorrerá de modo intuitivo e sutil. Este processo é chamado de Sam Faat (Vida Kung Fu).

A escolha de usar dispositivos corporais para a constituição de um sistema, visando o desenvolvimento do Kung Fu, parece óbvia se considerarmos que a experiência corporal é a mais próxima, a mais íntima, a mais direta e aquela que se pode menos duvidar para frustrar a atividade dicotômica do pensamento, que petrifica a fluidez de uma tendência e impede que se perceba os sinais ínfimos da transformação que está por vir.

Por sua vez, desde os tempos remotos, os chineses perceberam que o combate é uma experiência emblemática para manifestar a base de seu pensamento (o Yam e Yeung) e compreender o funcionamento bipolar, possibilitando que pólos opostos se complementem, cujo processo é potencializado em situações de preemência de morte. Por esse combate ser simbólico, é possível desenvolver a capacidade de transformar o adversário no próprio potencial a ser explorado em um conflito.

Talvez por isso, os dispositivos corporais de combate simbólico, chamados de Jiu Sik, foram concebidos, a partir de uma conduta feminina, para promover um tipo de experiência que é passível de se estender para a conduta, a partir da consciência aflorada.

Esse tipo de experiência, proporcionada pela ação de um Jiu Sik, é identificada como uma “experiência marcial”.

O Sistema Ving Tsun esta disponível a você em Brasilia, no núcleo da Moy Yat Ving Tsun na asa sul.